Notícias » Construção da Usina Mauá avança

Publicado em 15/10/2010

No canteiro de obras da Usina Hidrelétrica Mauá, a cada semana são visíveis os avanços na construção. A estrutura do vertedouro da barragem já está sendo concretada, e foi iniciada a montagem do sistema de protensão dos pilares. Na barragem, mais de 550 mil metros cúbicos de concreto compactado com rolo (CCR) já foram lançados (o que representa mais de 80% da quantidade de concreto que será utilizada). Os túneis estão todos concluídos, e 95% da concretagem dos condutos forçados e da estrutura civil da Casa de Força estão finalizados. Na Câmara de Carga e Tomada D’água de Alta Pressão, cerca de 95% da estrutura já está concluída, enquanto que na Casa de Força Complementar, a estrutura está sendo concretada e está sendo feita a montagem do conduto forçado.

As atividades realizadas fora do canteiro de obras também estão aceleradas. No final de setembro, foram concluídos os serviços de alteamento da linha de transmissão Foz do Iguaçu – Ibiúna (600 kV), de Furnas – necessário por conta da formação do reservatório da Usina. O procedimento foi realizado com a substituição de duas torres de 35 metros de altura por outras com 57 metros. Além dessa, outras duas linhas de Furnas (de 765 kV) terão seus trajetos alterados em 2,5 quilômetros por conta da construção da Usina (trabalho que já está em andamento).

A Usina Hidrelétrica Mauá está sendo construída no rio Tibagi (PR) entre os municípios de Telêmaco Borba e Ortigueira. Em 2011, quando o empreendimento estiver concluído, terá potência instalada de 361 megawatts (energia suficiente para atender o consumo de aproximadamente um milhão de pessoas). O empreendimento está sendo construído pelo Consórcio Energético Cruzeiro do Sul, formado pela Eletrosul, com 49%, e pela Copel, com 51%. O investimento total na obra, que faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), é de cerca de R$ 1,2 bilhão. Juntamente com a obra, estão sendo desenvolvidos 30 programas ambientais, que incluem ações como monitoramento das condições climatológicas e da qualidade da água, recuperação de áreas degradadas, conservação da fauna e da flora, educação ambiental e resgate do patrimônio arqueológico, entre outros.